segunda-feira, 1 de março de 2010

Março

É o mistério profundo

É o queira ou não queira

É o vento ventando

É o fim da ladeira

É a viga, é o vão

Festa da cumeeira

É a chuva chovendo

É conversa ribeira

Das águas de março
[...]
É uma prata brilhando

É a luz da manhã

É o tijolo chegando

É a lenha, é o dia

É o fim da picada

É a garrafa de cana

O estilhaço na estrada

É o projeto da casa

É o corpo na cama

É o carro enguiçado

É a lama, é a lama

É um passo, é uma ponte

É um sapo, é uma rã

É um resto de mato

Na luz da manhã

São as águas de março fechando o verão


É a promessa de vida no teu coração
 

Que felicidade lembrar desta música!
Aleluia, irmãos!
Me agonia o fim do verão,
os mosquitos zombando da minha impaciência,
as sandálias querendo férias,
o carnaval lá longe,
o edredon com saudade.

3 comentários:

  1. Estou aprendendo a gostar do frio. Ao menos no quarto, ele é útil.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Ó saudoso mês de março, o mês que deveria durar mais de trinta dias, o clima fica do jeito que eu gosto, até o cheiro dessa época é bom...

    ResponderExcluir

Como assim?